Webpalestra realizada pela Funesa discute atualização de protocolo clínico para o tratamento da dengue

Em Sergipe o monitoramento dos casos de dengue é feito diariamente

A partir de iniciativa da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e da Fundação Estadual da Saúde (Funesa) para fortalecer as práticas de saúde pública e prevenir complicações decorrentes da dengue, foi realizada nesta terça-feira, 2, uma webpalestra voltada para enfermeiros e médicos da rede básica e hospitalar focada no tratamento clínico da doença para garantir um atendimento adequado e evitar agravamentos.

A webpalestra foi conduzida pelo diretor da Vigilância em Saúde da SES, Marco Aurélio, que explicou que os primeiros sintomas da dengue incluem febre e dores no corpo e nas articulações, podendo também apresentar manchas na pele. No entanto, a fase crítica da doença ocorre quando a febre começa a baixar e surgem complicações como fortes dores abdominais, vômitos persistentes e queda abrupta de plaquetas, com a possibilidade de evoluir para estágios mais graves, que necessitam de atendimento urgente para evitar o óbito.

“Capacitações como essas são extremamente importantes para profissionais de saúde, para que eles reconheçam os sintomas suspeitos de dengue e realizem o tratamento adequado em seus pacientes, enfatizando sobre os cuidados com o uso de anti-inflamatórios e da automedicação e os ricos que podem aumentar as complicações em pacientes com a doença”, orientou.

Ainda de acordo com Marco Aurélio, com base nos dados atualizados sobre a dengue em Sergipe, em 2023, no período de janeiro a março foram 2.633 casos notificados e 710 confirmados, enquanto em 2024, até o momento, foram 4.053 casos notificados e 373 confirmados. Assim, o estado enfrenta um período de aumento de casos, com uma sazonalidade que pode levar a episódios epidêmicos; apesar disso, em comparação ao ano anterior, a situação ainda se mantém dentro do esperado para uma epidemia de dengue, mas a vigilância continua intensificando as ações para inibir o risco de uma possível explosão de casos.

“Diante desse cenário, é interessante que todas as unidades de saúde estejam preparadas para o atendimento de pacientes com suspeita de dengue. Desde unidades básicas de saúde até hospitais de urgência, é fundamental que os profissionais estejam capacitados para identificar os diferentes estágios da doença e oferecer o tratamento adequado. Existe uma grande esperança, que é a vacina da dengue, que ainda não está disponível de forma universal no SUS, mas começou a ser incorporada para algumas faixas etárias e algumas regiões que estão tendo epidemias de dengue. É esse conjunto de atividades que podem fazer com que a gente diminua o risco da doença”, explica o médico infectologista Marco Aurélio.

A palestra foi mediada pela gerente de endemias da SES, Sidney Sá, que falou sobre os desafios enfrentados no combate e prevenção contra a dengue. “Ainda é comum encontrar a resistência de algumas comunidades em receberem agentes de endemias devido ao medo da violência. No entanto, ressaltamos a importância da construção de vínculos de confiança entre os profissionais de saúde e a população para garantir o sucesso das medidas preventivas”, disse.

Sidney pontuou ainda que, diante do atual cenário, é necessário contar com o apoio de toda sociedade para reduzir o número de casos de dengue. “Diante do período de sazonalidade da dengue, a conscientização e a colaboração de todos os setores da sociedade são essenciais para reduzir o risco de transmissão da doença e garantir um atendimento eficaz aos pacientes afetados”, salientou.

Fotos e Texto: NUCOM/Funesa

Profissionais da Rede Estadual de Saúde participam de qualificação da Atenção Primária à Saúde no baixo São Francisco

O curso de 60 horas visa fortalecer o atendimento e valorizar a Atenção Primária à Saúde como pilar fundamental do sistema de saúde

Com o intuito de fortalecer a Atenção Primária à Saúde (APS), a Secretaria de Estado da Saúde (SES), em parceria com a Fundação Estadual da Saúde (Funesa), deu início à qualificação dos profissionais da APS que atuam na Regional de Propriá. O curso segue até sexta-feira, 5, com duração de 40 horas, e visa facilitar o atendimento dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Com o tema ‘Qualifica APS como resgate dos processos de trabalho – Estratégia de Saúde da Família’, a qualificação aborda não apenas o aprimoramento técnico dos profissionais, mas também a valorização e fortalecimento da Atenção Primária à Saúde como pilar fundamental do sistema de saúde.

De acordo com o diretor da Atenção Primária à Saúde da SES, Luan Araújo, o objetivo principal é qualificar os profissionais da APS, de todas as regiões de saúde, para melhorar o fluxo de atendimento nas unidades e melhorar a rotina de trabalho dos profissionais. “Estamos começando pela regional de Propriá, composta por 16 municípios. Então, é o pontapé inicial do nosso Qualifica APS, que é um curso que vai acontecer de forma híbrida, com 40 horas presenciais e 20 horas por meio da plataforma EAD. Ao final dessa jornada, teremos profissionais aptos e cheios de conhecimentos adquiridos para serem aplicados em seus respectivos locais de trabalho”, explicou Luan. 

Esta iniciativa faz parte do cronograma de ações do Plano Anual de Atividades (PAA) da Funesa e tem previsão de estender-se até o mês de agosto. O objetivo é levar essa prática a outras regionais, como Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora do Socorro, Estância, Lagarto, Itabaiana e Aracaju. “Temos um público que vai desde gestores da saúde, secretários, equipe multidisciplinar que faz parte da saúde,  enfermeiros, profissionais médicos, odontólogos, agentes comunitários de saúde e todos os profissionais que integram hoje o programa Saúde da Família, com isso, depois de passarmos por todos esses municípios, a expectativa é que tenhamos mais de cinco mil profissionais qualificados”, pontuou Luan. 

Além disso, a qualificação tem o propósito de aprimorar as práticas do cuidado no contexto da Atenção Primária à Saúde a fim de atender as necessidades dos serviços dos municípios. 

Segundo a assessora técnica e científica da diretoria de Atenção Primária à Saúde, Rebecca Gois, a necessidade de qualificação surgiu dos indicadores de saúde. “Se a gente tem esse profissional melhor qualificado, consequentemente a gente vai ter resultados melhores. Então, é no sentido de você resgatar os processos de trabalho da Estratégia da Saúde da Família e também pensar no aprimoramento profissional”, salientou. 

Aperfeiçoamento das técnicas

Os participantes dessa primeira etapa da qualificação expressaram entusiasmo em relação à oportunidade de aperfeiçoar seus conhecimentos e habilidades, reconhecendo a relevância da capacitação para o aprimoramento dos serviços de saúde em suas respectivas regiões. 

A cirurgiã dentista Daiane Donato contou que ficou feliz em poder participar das aulas. “Eu acho isso aqui muito enriquecedor e quem ganha são os usuários do serviço de saúde, nossos pacientes. Realizo vários atendimentos em Propriá, tenho muito carinho pelos meus pacientes e eu sempre fico atenta a essas qualificações, pois, além de aprender novas técnicas, eu acabo desenvolvendo um trabalho mais humanizado com eles e para eles”, revelou Daiane. 

Quem também concorda é o médico do município de Muribeca, Yuri Vinicius, que destacou a sua expectativa em poder levar o seu aperfeiçoamento para a população de sua cidade. “Sabemos que esse treinamento é extremamente necessário para que possamos melhorar nossas técnicas e aprimorar nossos conhecimentos a fim de garantir uma assistência cada vez mais qualificada aos nossos pacientes”, disse o médico. 

A enfermeira Thamires Caroline, que atua na Unidade Básica de Saúde do município de Aquidabã, também ressaltou a relevância de ações como essa, que atualizam os processos dos atendimentos e melhoram a rotina dos profissionais e dos usuários. “É extremamente  importante que profissionais de saúde participem, se atualizem e se qualifiquem. Quanto mais conhecimento tivermos, teremos muito mais capacidade para receber e acolher aqueles que precisam de cuidados e atendimentos”,  contou Thamires Caroline.

Fotos e Texto: NUCOM/Funesa

Saúde entrega próteses dentárias a usuários do CEO de Propriá

A ação, além de devolver os sorrisos dos pacientes, contribui com a autoestima dos assistidos

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), realizou a entrega de próteses dentárias aos usuários do Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) da cidade de Propriá, no baixo São Francisco sergipano. Durante a ação, os assistidos pelo Centro expressaram satisfação e gratidão pela oportunidade de resgatar seus sorrisos.

O CEO Felipe José de Santana, além do município de Propriá, atende: Amparo de São Francisco, Aquidabã, Brejo Grande, Canhoba, Cedro de São João, Ilha das Flores, Japoatã, Malhada dos Bois, Muribeca, Neópolis, Nossa Senhora de Lourdes, Pacatuba, Santana do São Francisco, São Francisco e Telha.

Givania Rodrigues Nascimento é usuária do CEO de Propriá há três anos e fez vários tratamentos para chegar a colocar a prótese. Ela afirma estar feliz com o dispositivo, que mudou seu sorriso, devolvendo-lhe a autoestima. “Esse CEO ajuda muita gente. Pessoas que não têm condições de ir a um dentista particular são recebidas aqui com muito carinho. Eles vêm de locais como Cedro, Telha e muitos outros. Fiz dois tratamentos de canal e não senti dor. Fui muito bem tratada. Estou renovada com meus novos dentes”, relatou a usuária, de sorriso aberto.

José Feitosa disse que foi ao CEO pela primeira vez há um ano. “Para mim, esse é um local de grande importância. Somos acolhidos com humanidade desde os serviços gerais até a gerência. Todos aqui são muito especiais. Coloquei as próteses de cima e de baixo, e para mim foi muito importante. Aqui somos atendidos de forma gratuita, com higiene e bom atendimento. Sou muito grato por tudo isso. Agora, já posso sorrir”, disse, com grande alegria.

Atuação

A diretora da Funesa, Carla Fontes, agradeceu aos profissionais que fazem parte do CEO de Propriá. “Ficamos felizes em ver o serviço andando de forma positiva. Lutamos todos os dias para que tudo melhore e aumente o quantitativo de atendimentos. Graças a Deus, tivemos um excelente resultado”, disse a diretora.

Para o diretor Operacional da Funesa, Caique Costa, a palavra principal é gratidão. “Estamos aqui em Propriá para entregar as próteses aos usuários que são assistidos pelo CEO, com qualidade e segurança. É motivo de muita alegria poder devolver a dignidade das pessoas através da autoestima. Esse é o nosso compromisso “, afirmou Caíque.

A coordenadora dos CEOs estaduais, Laísa Oliveira, observou que o dia foi de devolver sorrisos. “A prótese dentária devolve não só a mastigação e a fala, mas também a autoestima. É gratificante ver a felicidade estampada no rosto dessas pessoas”, explicou Laísa.

Ela pontuou que o meio de acesso ao CEO é a Atenção Primária à Saúde, onde o dentista vai fazer toda a adequação do meio bucal, limpeza, restaurações e extrações necessárias e, em seguida, encaminhar o paciente ao CEO, para a especialidade de prótese.

O cirurgião-dentista Marco Antônio Ramos Nunes atua no CEO de Propriá há dez anos. Segundo ele, o serviço possui a importância fundamental de reabilitar o usuário dentro do complexo. “Alguns perderam todos os dentes, e outros somente alguns. Esse CEO atende pessoas que precisam de próteses parciais e próteses totais acrílicas. Temos uma lista de pacientes já cadastrados para fazermos próteses. Estamos empenhados nisso. As pessoas se sentem recompensadas e divulgam nosso trabalho para a comunidade”, ressaltou.

CEOs

A população de 70 municípios de Sergipe recebe atendimento odontológico especializado por meio dos Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs). Essas unidades de saúde são vinculadas à Secretaria de Estado da Saúde (SES) e administradas pela Fundação Estadual de Saúde (Funesa). No ano de 2023, até o mês de outubro, foram realizados mais de 20 mil atendimentos nas oito unidades dos CEOs estaduais.

Texto e fotos
Nucom/Funesa

Funesa participa de reunião nacional sobre pesquisa odontológica

O evento aconteceu em Teresina, onde foram apresentados estudos e ações realizadas nos CEOs estaduais

A Fundação Estadual de Saúde (Funesa), participou da XXIV Reunião da Sociedade Nordeste e Norte de Pesquisa Odontológica (SNNPqO), realizada em Teresina, no Piauí. O evento objetivou promover a integração e o compartilhamento de informações atualizadas e dados da pesquisa entre discentes e docentes de graduação e pós-graduação, pesquisadores e profissionais da área de Odontologia e afins, para discutir temas atuais que impactam na sociedade.

A reunião nacional ocorreu em três dias, de 15 a 17 de novembro, e contou com a presença da odontóloga Reguladora dos Centros de Especialidades Odontológicas Estaduais (CEOs), Graziane Ribeiro Couto e da apoiadora Operacional, Cláudia Lisboa Rodrigues.

“Pudemos conhecer as atualizações na área da odontologia, tendo como base as melhores evidências científicas e assim, trazer e colocar em prática, no âmbito da odontologia sergipana, essas inovações, especificamente para os Centro de Especialidades Odontológicas Estaduais”, disse Graziane Ribeiro.

Educação permanente

A reguladora do CEOs Estaduais apresentou durante o evento, as ações de educação permanente, que são desenvolvidas pela Fundação, para a gerência dos CEOs de Gestão Estadual. Além disso, ela ressaltou que a reunião promoveu o compartilhamento de novos conhecimentos e informações, que irão contribuir para novas oportunidades de parcerias, com vistas ao desenvolvimento das ações e serviços de saúde institucional.

Graziane informou que foram apresentados dois trabalhos: um deles ‘A importância da educação permanente em saúde na qualificação dos processos de trabalho dos gerentes dos Centros de Especialidades Odontológicas de Sergipe’. “Esse trabalho foi apresentado na forma de painel e divulgou a ação de educação permanente, que é extremamente necessária para a atualização profissional dos gerentes dos CEOs, no sentido de se tornarem multiplicadores dessas práticas nos centros especializados”., disse.

O outro trabalho apresentado, na categoria tema livre, foi: ‘Qualidade de vida e satisfação de cuidadores de pessoas com deficiência (PcD), sobre serviços especializados em odontologia’. “A pesquisa foi realizada no CEO de São Cristóvão, por acadêmicos da Universidade Federal de Sergipe (UFS), sob a orientação da professora doutora, Regiane Cristina do Amaral e como resultado, essa pesquisa demonstrou que PcD e seus cuidadores estão satisfeitos com o atendimento odontológico oferecido pela equipe de saúde bucal do CEO de São Cristóvão”, pontuou Graziane.

Participaram também do evento, discentes e docentes de Graduação e Pós-Graduação, pesquisadores e profissionais da área de Odontologia e afins, para discutir temas atuais que impactam na sociedade.

Texto / Nucom – Funesa
Imagem / Arquivo Pessoal

Saúde participa da 16ª edição do ‘Sergipe é aqui’ em Poço Verde

O evento ofertou promoção e prevenção a saúde. A Funesa participou na administração das carretas do homem e da mulher e no Sorrir Sergipe

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), participou da 16ª edição do ‘Sergipe é aqui’, que foi realizado na quinta-feira, 23, na cidade de Poço Verde. Foram ofertados exames e consultas nas Carretas do Homem e da Mulher, administradas pela Fundação Estadual de Saúde (FUNESA), com a realização de ultrassonografias e outros procedimentos para a população local. A finalidade é desenvolver nas unidades móveis, ações integradas de promoção da saúde e prevenção de doenças, rastreamento e detecção precoce dos principais cânceres que acometem homens e mulheres.

 A Unidade Móvel ‘Fique Sabendo’ realizou testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites virais. O público-alvo foram pessoas sexualmente ativas, com idade superior a 15 anos, atendidas por ordem de chegada, de acordo com a senha liberada. A média prevista é de 60 usuários, correspondendo a 240 testes rápidos.

O projeto Sorrir Sergipe, assinado pela SES, por meio da Diretoria de Atenção Especializada e em parceria com a Funesa,que administra os Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs), também foi disponibilizado na edição. Lá, os usuários tiveram a oportunidade de passar por avaliação e diagnóstico odontológico. Na ocasião, os pacientes também recebem kits de higiene bucal contendo escova, fio dental e creme dental, além de serem instruídos sobre a importância do cuidado com a saúde bucal.

O setor de Ações Estratégicas do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose), realizou o cadastro para doador de medula óssea, com intuito de atender pacientes com leucemias que tem como única chance de cura o transplante de medula e, para isso, é preciso encontrar um doador compatível. Já o Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen), unidade gerida pela Fundação de Saúde Parreiras Horta (FSPH), coletou amostras para testes do Programa de Proteção à Gestante (Protege), durante o 1º e o último trimestre da gravidez.

Além dos demais serviços, a população poço-verdense, por meio do programa Opera Sergipe, pode contar com consulta com um cirurgião geral, fazer agendamento de exames pré-operatórios no prestador credenciado e realizar a marcação da data da cirurgia, no caso do paciente apto.

Texto / Ascom-SES
Imagem / Nucom-Funesa

Profissionais do Samu 192 Sergipe participam de curso sobre atendimento pré-hospitalar em emergências clínicas

Ao todo, 630 profissionais, entre médicos, enfermeiros, condutores emergencistas e técnicos de enfermagem serão capacitados até o mês de dezembro

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), realiza o curso Advanced Medical Life Support – AMLS com foco em Atendimento Pré-Hospitalar em Emergências Clínicas. A capacitação acontece na sede da Fundação, e visa qualificar médicos e enfermeiros que atuam na linha de frente do Samu 192 Sergipe, para um melhor atendimento da população.

A coordenadora técnico assistencial do Samu 192 Sergipe, Maria Lúcia Santos, explicou que o curso, que está na sua 3ª edição, foi pensado de forma estratégica, sendo sua oferta pioneira para os profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. “Neste curso ocorre uma capacitação de médicos e enfermeiros que pleiteiam a certificação internacional da Associação Nacional dos Técnicos em Emergências Médicas (NAEMT). Eles almejam melhorar a qualidade da assistência e dar fluidez na investigação diagnóstica de emergências clínicas que acontecem de forma rotineira em seu dia a dia de atuação”, explicou Maria Lúcia.

De acordo com a coordenadora, o curso é planejado para que haja total adesão dos profissionais do Samu 192 Sergipe, e por isso a capacitação foi ofertada em nove turmas com a participação de 24 profissionais por turma. Maria Lúcia ressalta que 630 profissionais, entre médicos, enfermeiros, condutores emergencistas e técnicos de enfermagem serão capacitados até o mês de dezembro, além do curso AMLS, nos cursos PHTLS e TEAM.

“O AMLS é um curso de imersão, que exige muito do profissional, mas com um resultado fantástico. Todos, enfermeiros e médicos, treinando em conjunto as práticas para atendimento diário, agregando atualizações, conhecimentos e ampliando o olhar dos profissionais de saúde para uma assistência qualificada”, destacou.

Capacitação

A assessora técnica do Samu 192 Sergipe, Cíntia Guerra, explicou que o curso sobre emergências clínicas no ambiente pré-hospitalar é muito importante, pois é o tipo de atendimento mais prevalente para as equipes do Samu. Ela observa que o curso aborda uma gama de situações, tais como: emergências respiratórias, cardiológicas, endócrinas, metabólicas, infecciosas, estados de choque, entre outras, em aulas teóricas e estações práticas com simulações realísticas.

“É importante identificar pacientes potencialmente graves e embasar a tomada de decisão desses profissionais frente às alterações clínicas. O profissional do Samu deve realizar todas as etapas do atendimento de forma sistematizada, passando desde a avaliação inicial, coleta de história clínica, dados vitais e exame físico, refinar prováveis diagnósticos, ofertar tratamento e prever necessidade de transferência para o paciente”, explica.

De acordo com o superintendente do Samu 192 Sergipe, Denisson Pereira, o curso oferta ações de treinamento e capacitação profissional para um serviço prioritário para a sociedade, proporcionando segurança para o profissional e o paciente. “Muitos anos de vida serão poupados quando assumimos a responsabilidade de nos atualizarmos com capacitações tão importantes, com protocolos internacionais voltados às urgências clínicas e traumáticas”, ressalta.

A Enfermeira Erika Junqueira de Alencar, participante do evento, afirmou que o curso oferece uma oportunidade ímpar para a qualificação do profissional, contribuindo para sua prática cada vez mais assertiva e atualizada. “Quem ganha é a população que terá um atendimento mais eficaz e de excelência”, comentou a profissional de saúde.

Fotos e Texto: Nucom/Funesa

Seminário promovido pela Saúde discute atenção domiciliar para os pacientes

(O evento discutiu a desospitalização de crianças com condições crônicas e complexas em saúde)

Com o intuito de discutir o acolhimento do paciente em domicílio, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Diretoria de Atenção Especializada e Coordenação de Redes temáticas, em parceria com o Ministério da Saúde e Fundação Estadual de Saúde (Funesa), promoveu nesta quinta-feira, 31, o III Seminário Estadual de Atenção Domiciliar Programa Melhor em Casa para técnicos e profissionais da saúde. 
 

Entre os temas abordados estão a ‘Assistência Domiciliar da Rede de Atenção à Saúde (RAS)’ e o ‘Prontuário domiciliar com questões éticas no registro de informações’. Além disso, o seminário contou com uma mesa redonda para abordar a importância da equipe multiprofissional no cuidado paliativo na atenção domiciliar. 

Para a diretora da Atenção Especializada à Saúde da SES, Marli Francisca dos Santos Palmeira, o seminário é uma oportunidade única de troca de conhecimento. “Trabalhamos em prol do bem-estar do paciente e ficamos felizes em ver que 20 municípios sergipanos já estão com os serviços do Programa ‘Melhor em Casa’ implantados, levando cada vez mais uma Saúde qualificada e humanizada aos usuários do Sistema Único de Saúde”, ressaltou a diretora. 

Também foram discutidos no evento a desospitalização de crianças com condições crônicas e complexas em saúde, cuidados e facilidades da prática da hipodermóclise aos pacientes com dificuldade de acesso medicamentoso, além da atuação e experiências exitosas de Serviços de Atenção Domiciliar do Programa Melhor em Casa em Sergipe. 

 Atenção domiciliar

A consultora técnica da coordenação-geral de Atenção Domiciliar do Ministério da Saúde, Denise Araújo, marcou presença no evento abordando questões éticas no registro de informações. “Sergipe vem com o III Seminário de Atenção Domiciliar que é muito plausível, pois é um serviço que vem para somar com a Rede de Saúde que ajuda tanto na desospitalização quanto na humanização do atendimento, levando qualidade e conforto a esses pacientes”, explicou a consultora. 

 Para a fisioterapeuta do Melhor em Casa do município de Estância, Fernanda Mendes, as temáticas abordadas no seminário são enriquecedoras para os profissionais. “Vários pontos importantes foram discutidos do meu interesse, como é o caso da paliação, onde sentimos mais dificuldade em proporcionar um maior conforto tanto ao paciente quanto para a família, Então, sei o quão importante é esse seminário para agregar no meu atendimento”, contou. 
Já a gerente do internamento pediátrico do Huse, Valquiria Barros, destacou que o evento contribuiu para aprofundar o conhecimento a respeito do programa Melhor em Casa. “É um programa muito importante para os hospitais que precisam dessa desospitalização dos pacientes e aqui podemos aprender um pouco mais sobre a assistência domiciliar”, salientou.

Foto: Mário Souza

SES e Funesa promovem colegiado com coordenadores de saúde bucal

O encontro teve como objetivo a integração entre os coordenadores de saúde bucal dos municípios sergipanos

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) promoveu no último dia 22, o Colegiado Quadrimestral de Coordenadores de Saúde Bucal. O evento, que foi organizado pela Fundação Estadual de Saúde (Funesa), por meio da Coordenação de Educação Permanente (Coepe), teve como objetivo a integração entre os coordenadores de saúde bucal dos municípios sergipanos, visando o apoio da Diretoria de Atenção Integral à Saúde da SES.

A referência técnica em saúde bucal da SES, Ana Paula Vieira explicou que o colegiado é importante porque é a oportunidade de trocar informações entre a referência técnica do estado, os coordenadores e referências técnicas municipais de saúde bucal. “Os municípios vivem realidades diversas, mas há assuntos unânimes em todos os territórios. Nesse colegiado buscamos ouvir a todos, visando orientar e colaborar frente às necessidades apresentadas”, disse.

Segundo Ana Paula, o colegiado deve atuar como um local de suporte aos coordenadores de saúde bucal para que tomem conhecimento das normativas do Ministério da Saúde, atualizem as informações relacionadas às portarias e notas técnicas, tratem sobre os processos de trabalho e ouçam experiências exitosas de outros municípios, extraindo dali estratégias que possam ajudar junto às suas equipes de saúde bucal e gestão.

“As referências técnicas e coordenadores dos municípios puderam externar suas realidades e fazer colocações das quais sentem necessidade. É comum trazerem as dificuldades em busca de novos entendimentos que possam cooperar na condução da coordenação junto à parte assistencial do município. Esse foi o foco do evento, atender a essas necessidades de informação e colocar sempre à disposição o apoio da SES para com os municípios” concluiu Ana Paula.

Saúde promove oficina para coordenadores de vigilância epidemiológica

O evento visou qualificar coordenadores da atenção primária para respostas a eventos de saúde pública

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), realizou nos dias 22 e 23, no Centro Especializado em Reabilitação José Leonel Ferreira Aquino (CER IV), a ‘Oficina de Qualificação de Notificação Compulsória’, com o objetivo de qualificar os coordenadores de atenção primária à saúde e vigilância epidemiológica na resposta diante de situações de saúde pública, doenças e eventos de notificação imediata.

Segundo a coordenadora do Centro de Formação Estratégica e em Vigilância de Saúde da SES, Daniela Cabral Teixeira, a notificação deve ser imediata para alguns agravos e eventos. “É preciso entender a necessidade de desencadear medidas de prevenção e controle em tempo hábil, nos casos de doenças com elevada gravidade ou potencial de disseminação”, pontuou Daniela.

Para a coordenadora, a oficina teve como foco principal alertar os municípios, tanto para a notificação imediata, quanto para as ações que devem ser desenvolvidas, como investigação epidemiológica e laboratorial e de encerramento dos casos.

Qualificação

A diretora e coordenadora da Atenção Primária do município de Riachuelo, Acácia Pereira, observou que a atualização é muito importante. “Em relação às doenças e eventos dessa natureza, é preciso haver qualificação para os profissionais da atenção primária atenderem ainda melhor os usuários do SUS. A capacitação está nos proporcionando respaldo para que tenhamos um posicionamento mais ágil diante das notificações”, considerou.

Para o diretor da Vigilância em Saúde do município de Boquim, Caique Araújo, a oficina é relevante principalmente para quem está na ponta dos eventos de saúde que ocorrem no município. “Estamos nos enriquecendo de informações, para que as equipes de saúde da família sejam fiéis em relação às notificações que são atendidas”, comentou.

Escola de Saúde Pública de Sergipe forma profissionais de Vigilância em Saúde

Os formandos já atuam no Sistema Único de Saúde (SUS) em diversos municípios sergipanos

A Escola de Saúde Pública de Sergipe (ESP/SE) da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (SES), realizou na última sexta-feira, 11, a formatura de 16 alunos do Curso Técnico em Vigilância em Saúde. O evento aconteceu na Biblioteca Epifânio Dória, com a participação do secretário de Saúde Walter Pinheiro, da diretora da Funesa, Carla Fontes, além de outros representantes do Estado.

Os formandos já são trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS) de diversos municípios sergipanos, em sua maioria agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias, fiscais da vigilância sanitária, dentre outras categorias profissionais.

Durante o evento, o secretário Walter Pinheiro afirmou que a formação desses profissionais significa ofertar serviços de saúde de maior qualidade. “Fico grato por essa formação e desejo que esses novos profissionais nos ajudem a construir um SUS de qualidade”, comentou o secretário.

A diretora Carla Fontes ressaltou que os formandos enfrentaram a pandemia, que interrompeu o curso por um ano, mas não desistiram. “Vejam como eles lutaram. Foi um esforço válido, e me sinto orgulhosa de ver a força imensa que há em cada um desses profissionais”, ressaltou Carla.

A superintendente da ESP/SE, Daniele Travassos, considerou esta como uma grande vitória da Funesa, por meio da ESP, ao conseguir realizar a formatura. “É importante lembrarmos que a formação técnica é de grande relevância, porque o nível médio é a grande força de trabalho na sociedade”, disse.

Segundo o diretor de Vigilância em Saúde da SES, Marco Aurélio Góes, a formação desses profissionais, que hoje atuam no SUS, é algo grandioso, e significa o crescimento da prevenção de saúde em Sergipe.

Os profissionais que passaram pela formação atuam nos serviços de Vigilância em Saúde nos seguintes municípios: Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, Maruim, Pirambu, Rosário do Catete, Boquim, Nossa Senhora das Dores, Tobias Barreto, São Cristóvão, Areia Branca e Laranjeiras.

O curso

A oradora da turma, Viviane Alves, relatou que o curso é muito complexo e que permite aos profissionais que já atuam na vigilância em saúde ter um novo olhar para as necessidades das comunidades, e assim, prestar um serviço com qualidade ainda maior. “Para nós, passa a ser mais fácil identificar as necessidades e ofertar uma melhor condição de saúde”, pontuou.

Para André Luiz Teles, que já atua na vigilância, a partir de agora será mais fácil levar soluções à comunidade. “Pretendo contribuir de forma positiva, mostrando que podemos apresentar soluções práticas e levar melhoria e orientação para as pessoas”, afirmou.

Fotos: Mário Sousa

Última atualização: 12 de agosto de 2023 13:42.




Pular para o conteúdo