Dia do Cirurgião-dentista: SES e Funesa reúnem odontólogos para celebrar a data

Foto: Flávia Pacheco/SES

Fortalecer o papel do dentista na Rede de Atenção. Foi com essa premissa que a Secretaria de Estado da Saúde (SES), em parceria com a Fundação Estadual de Saúde (Funesa), realizou, nesta quinta-feira, 24, um evento comemorativo em alusão ao Dia do Cirurgião-dentista, celebrado nacionalmente em 25 de outubro. O dia contou com momento de acolhimento e integração com coffee break e almoço, além de palestras com os temas “Construção da Rede Estadual de Saúde Bucal”; “O papel do cirurgião-dentista na Atenção Primária”; “O papel do dentista na Atenção Especializada”; “O papel do cirurgião-dentista na Atenção Hospitalar”; e “O Papel do cirurgião-dentista na Atenção Oncológica”.

As palestras foram ministradas, respectivamente, pela coordenadora da APS (Atenção Primária à Saúde) e referência técnica em Saúde Bucal da SES, Ana Paula Vieira; o coordenador da Saúde Bucal de Lagarto, José Rollemberg; o coordenador dos Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) do Estado, Erik Barros; a referência técnica em Odontologia Hospitalar da SES, Thadeu Roriz; e o cirurgião-dentista da Odontologia Oncológica do Huse, José Augusto.

Ao abordar sobre a Rede de Atenção à Saúde Bucal no Estado, a coordenadora da APS e RT em Saúde Bucal da SES, Ana Paula Vieira explanou aos colegas o que há no Estado e qual é a ligação que esses profissionais e gestores têm que fazer entre Atenção Primária, Atenção Ambulatorial Especializada e Atenção Hospitalar. “Mostramos que cada nível de atenção tem a sua importância, mas não pode estar desarticulado com o outro, porque dependendo do nível de tecnologia que será necessário, o paciente sai da Atenção Primária, precisa de um exame especializado, atenção especializada. Se as necessidades dele forem atendidas na Atenção Especializada, depois ele retorna à Primária”, explica.

Ana Paula observa, ainda, que se houver necessidade da Atenção Hospitalar, o usuário também deve ser encaminhado. “Essas três instâncias não podem estar desarticuladas, porque esse paciente que, preferencialmente, deve entrar pela Atenção Primária, segue de acordo com a necessidade. Esse paciente não pode se sentir perdido na rede, pois existe uma vinculação e uma linha de cuidado que deve ser respeitada, tratando das individualidades do cidadão, respeitando uma série de contextos e, apesar de receber alta do hospital ou dos CEOs, ele vai à atenção primária para fazer o controle necessário”.

Foto: Flávia Pacheco/SES

De acordo com o diretor de Atenção Integral à Saúde da SES, João Lima, esse dia foi pensado para comemorar, como também debater a saúde bucal em rede, pois trabalhar em rede é trabalhar a integração nos três níveis de Atenção: a Primária, feita pelos municípios; a Ambulatorial Especializada, executada pelos CEOs estaduais em 70 municípios, além dos CEOs municipais; e a Atenção Hospitalar, a exemplo do serviço de bucomaxilo e odontologia hospitalar no HUSE, bucomaxilo no Hospital Regional de Itabaiana; e da pessoa com deficiência, também em Itabaiana – ou seja, integrando as ações dos três níveis, evitando o trabalho de forma isolada.

“Existem cinco redes prioritárias que o Ministério reconhece e, aqui em Sergipe, a Saúde Bucal é reconhecida como a sexta rede prioritária. No final de tudo, nossa missão é atender a necessidade do usuário, que tem que passar pelo sistema de forma bem articulada, entre os três níveis, e muitas vezes sabemos das dificuldades que existem em relação à comunicação e entendimento em como está organizada essa rede. Sergipe é um dos poucos estados que possuem CEOs, por isso a Funesa, que administra essas unidades, tem um papel fundamental na odontologia”, ressaltou João Lima.

Fortalecimento da rede

Foto: Flávia Pacheco/SES

Durante o evento, Anderson Lessa, presidente do Conselho Regional de Odontologia (CRO), parabenizou os dentistas, bem como a SES e a Funesa, pela iniciativa. “Temos que reconhecer a atividade desses profissionais que, diariamente, se deslocam aos seus locais de trabalho em nosso estado, pra levar o melhor da odontologia para a sociedade sergipana, mesmo apesar das dificuldades que surgem. Através do CRO e CFO também parabenizo os três municípios sergipanos vencedores do Prêmio CFO de Saúde Bucal 2019. Estância, N. Sra. do Socorro e Siriri foram selecionados e encaminhados para a etapa nacional. Foi um resultado importante para o nosso estado, servindo de exemplo para mais municípios, o que leva o nome da odontologia sergipana a todo o Brasil. Isso é importante pra mostrar que a gente tem odontologia de qualidade e valor, com um trabalho executado por trabalhadores e gestores comprometidos, que tenta levar um serviço de qualidade à população, sem esquecer de buscar a valorização profissional e mostrando que é um serviço significativo para os municípios”.

Foto: Flávia Pacheco/SES

Para o presidente do Sindicato dos Ciurgiões-dentistas de Sergipe (Sinodonto), Marco Luís Macedo, a rede de Atenção é muito importante, por isso elogiou a odontologia sergipana, “pois sempre foi avançada, já tendo sido premiada nacionalmente. É uma odontologia muito qualificada. Vocês são dignos de aplausos. São guerreiros que sustentam esse serviço”, destacou. Erik Barros, coordenador dos CEOs, falou que promover esse tema só agrega aos usuários do SUS. “Fortalecer essa temática agrega no desenvolvimento e na qualificação da prestação de serviços aos pacientes. Em vista desse objetivo, é extremamente positivo discutir de maneira técnica, além de trocarmos experiências que contribuem na execução de um trabalho ainda mais satisfatório”.

Segundo Lavínia Aragão, diretora da Funesa, o avanço só é possível quando se pensa coletivamente, apesar das divergências. “Quando uma relação é respeitosa, em prol de um objetivo único, todo mundo cresce. Pensar no Dia do Dentista é pensar no reconhecimento do trabalho prestado por todos vocês que lutam pelo fortalecimento da odontologia no SUS, mas também é pensar na importância em sair daqui com um desafio maior do que quando chegaram, porque a proposta desse dia é pensar em sair da zona de conforto. É desafiador, mas necessário. Precisamos conversar em rede, pra que esse usuário caminhe pelo sistema, de acordo com a sua atenção integral à saúde bucal. Precisamos pensar como é na teoria e na prática”, afirma.

Foto: Flávia Pacheco/SES

Ela acrescenta que é importante que os dentistas também exponham as experiências e que, em relação aos CEOs, a equipe da Funesa, junto à SES, não tem medido esforços para otimizar os serviços. “Conseguimos regularizar algumas situações, mas ainda precisamos melhorar e estamos nesse caminho. A SES, por meio do trabalho realizado pela Atenção Integral, não mede esforços, de pensar a odontologia em rede, no cuidado integral. É desafiador, mas é necessário ampliar o olhar. Então esse é um momento ímpar também por isso. Essa ação foi pensada com muito carinho pela área técnica da SES, através da Diretoria de Atenção Integral à Saúde, desde o ano passado, quando num momento de planejamento com essa Fundação, já foi colocado como prioridade estarmos aqui”.

 

 

 

Mais notícias:

Última atualização: 24 de outubro de 2019 18:20.




Pular para o conteúdo